27 setembro 2017

One Wild Life: testemunhos

O curso de formação One Wild Life decorreu de 15 a 25 de Julho de 2017 em Sintra. Aqui ficam mais testemunhos de alguns dos participantes.

Teja Pahor, Eslovénia 
This journey was something I will never forget. It was the first time I ever experienced something like that. And it was above all the expectations. It was not only about learning ourselves a different methods and receiving a lot of new knowledge of how to do training. The best value of OWL training was a personal development which came naturally and no one expected it. In 10 days I think I was manage to grow personally more then I have ever before. I am still in research of my vocation but that doesn't mean I am not grateful from the bottom of my heart for this experience. I will never forget the people, the coop and some useful methods which I will hopefully use in the future. 

Nil Roda Noguera, Espanha 
We live in a time of detachment and liquid societies, where individuals struggle to find their place in a highly globalized, ever-changing context. We live in a time deeply suffering from three major divides: the divide between self and nature - I am not my environment, I am not Earth; the divide between self and other - I am not you, your problem is yours; and the divide between self and Self - I am not playing my fullest potential, because I don't even know what that is. However, we also live in the time of data and information, a time where interconnectedness, interdependence and the living globality of the world are a matter of fact. A time where the complexity is visible, tangible and where we are just awakening to the understanding that, it's time to learn how to truly work together. It doesn't take much for youth to understand this reality: they are embedded in it, they both suffer and benefit from it. Formal and informal education are yet to truly evolve to be able to offer the right spaces to support this youth, manly because the People behind the structures, often doesn't have an embodied experience of how to proactively live in complexity and uncertainty, and therefore it is difficult to bring theory into practice. Everywhere I see in youth a growing and deep longing to consciously explore the question Who am I in relationship to the world? What can I do in such a complex world? What is my gift I can/want to offer? And what do I need to unfold my potential? One Wild Life was Experiencial learning for youth workers to get this embodied experience of connection, collaboration and interconnection. One Wild Life helped us be able to practice being the professionals we want to be, so we can be better examples to the people we work with. One Wild Life was the What and How of how to create the right spaces to host youth in this exploration. 

Nicoletta Benfatti, Itália
This experience was very interesting for me. It meant to discover myself and my ability expressing and telling my past and future projects. I learned that the images and the drawings are most important that lots of words, when you need to describe a project to other people. I took home a method with which I could tell and describe my future project of the ecological park that I am realizing in Italy, on the hills near Verona, in a more amazing and interesting way. At the same time I'll share my experience and teach this method to all the people with which I'm working in RIVE, the Italian Ecovillage Network. I suggest to other people to participate at this training course with Reka and Sara, because they are amazing and their sweetness and clarity in ascertaining the concepts are involving. All the people I met made me very happy and comfortable. I hope to see them again. 

Andrada Vaidos, Roménia
What am I going to do with this One Wild Life? This was a thing that I always had in my mind: we have ONE wild life. So why not make the most of it?! Though I kept having a hard time in figuring out HOW to make the most of it. The best gift we have in this life is humanity. And this self-explorative, intense, challenging training course accomplished it`s mission of giving us a vision, a direction about HOW we could make the most of this one wild life by using this gift of being humans. The structure was fascinating and extremely revealing. It`s as simple as that: in order to get an understanding about the world, we need to understand ourselves, so in order to make a change in the world, we need to make a change within ourselves. Each authentic action is driven by inner dreams, wishes, challenges. So first step is to make them clear in our mind. To make some order in the chaos. All the techniques used, all the exercises, all that sharing in circle what was in our mind and what we have been working on was extremely helpful in crystallising and prioritising thoughts. What is what I truly stand for in this world is a question that will probably stay in my mind always from now on. Because it is pointless to do things just because they need to be done and not because something inside drives you, pushes you towards that. Humanity consists in feelings, feelings that lead to action. Feelings need to be expressed, it`s unhuman to lock them inside, though we do that so much nowadays, out of fear of judgement, probably. Humanity is also about people getting united and fulfilling dreams together. One cannot do anything alone. We are meant to do things together, to listen and support each other. And, just like magic, the team and participants from One Wild Life were all there for the others. The connections that had been formed between people were out of this world. For those 10 days, we were a family, for the next decades we will keep on being connected. And this happened because we got a great context to open and connect, a safe and trustworthy one. The team knew what they were doing and how to make us feel comfortable with being ourselves and sharing, expressing what is in our mind and souls. We received priceless tools to work with in this lifelong mission of making the most of our (one wild) life. Long story short, One Wild Life was the trigger. A trigger to understand ourselves, to crystalize what we are standing for and to figure out HOW to take action and to make a difference in this world by doing things that we truly, honestly believe in. Some of us already knew, some others had their revelation, their “AHA” moment there, during the training course, and some others (including myself) didn`t know what they believe in, but now, after this experience they have a strong clue and some useful tools to keep on working on to find what is there worth to stand for. 

Chaotic thoughts about One Wild Life: 

  • It was the confirmation that one can feel most valuable and useful when doing things together with others. 
  • It was the push for setting an intention. 
  • In order to take action out there in the world, first the healthy thing to do is to take action within oneself. 
  • It was the challenge of being completely open and honest towards people around. 
  • It was the revelation that giving and receiving support is one of the most human and constructive attitudes possible. 
  • Introspection.
  • Collecting the energy within and motivation to release it with a specific and clear direction. 
  • Putting the chaos in order. 
  • All the inspiring people! 
  • Authenticity in the behavior, in the words spoken, in the actions taken.
  • Pushing the limits. 
  • Do it the hard way. 
  • Self exploration and being self centered does not mean selfish. 
  • It`s just that the balance within oneself is able and will bring balance in the world around us .
  • You give what you are. 

Simina Tureac, Roménia
“One Wild Life” was a beautiful, rewarding experience for me. It was like a labyrinth with a lot of unknown paths and each path made my fears one by one to come up and at the end just standing there –being myself – trying to find out the way out. Even before coming to the training, I knew that the methods were interesting (knowing that some were based on the work of Bill Plotkin and Mary Oliver) but my expectations were over reached while participating in the training. Now, after one month, I still have glimpses of the best moments in the training, of the beautiful Eco Village and of the great people I met. I went through a deep learning process starting from who I truly am beyond the roles that we usually play in the society, connecting with myself and speaking about myself from the heart. Related to this, the methods used for this (map of life, charismatic communication) made me remember the relevant moments in my life, the ups and downs, but the most important were the threads – those states when I was driven by passion and excitement in my life for creating something/doing something. Going forward, remembering those moments, I had to confirm to myself that I still have the passion and the inspiration to create again and to know what I want to create: and here it goes the artistic techniques (Double circle and the Dyade) for taking a moment to write everything that comes to my mind and bringing the dream close to reality. 
Further on, with the session “me and the world” I went deeper in the emotional state of being by remembering and sharing moments when I felt “hit” by the world, meaning those moments when I felt meaningless and full of fears because I couldn’t control something bad happening from the outside. Actually, going through a few exercises, made me understand that I am the only one who can control the state I want to feel, maybe there is nothing to do to save the whole world, but for sure there is a solution for everything. It’s up to me to take action instead of watching TV and complain that nobody is not doing anything. The AMOEBA model by Alan Atkinson was for me the most relevant to understand how actually cultural change happens and how can an idea become an innovation, a part of the system. Furthermore, I find that the Nature Quest from Day 6 was really important for discovering how nature always helped me learn new things about myself, especially the things I could see differently- a new perspective for my life, new possibilities for starting something new or just confirmation about what I truly like to do. The quest in nature and the living beings from nature taught me a lot about weakness, being strong, not being afraid of showing vulnerability as long as I am honest and true to my soul. And of course, the most important, the nature circle of everything being perfect as it is, of everything happening for a reason, within a given moment in time and space. A lesson from nature’s order. 
The rest of the learning process that followed until the last day was for me about being inspired, finding partners and collaborators for the dream project idea I wanted to develop. Second by second, I felt inspired, stimulated and excited to make the plan for my dream project and the strategy to develop it once I arrive back home. Except for the project idea I discovered I want to create, I also brought home a lot of new techniques and methods that I can use for supporting a learning group towards personal and professional development. All the processes I learnt and the methods about facilitation at the end of each session are very helpful to make other volunteers and youngsters in my organization finding their own authentic vocation and encourage them to take action towards their dream projects. In the present moment, being at home, I have been working hard on my project since 4 weeks, it’s not easy, but I am working with a joyful heart and it feels great. The enthusiasm is still here. 

Anni Shakur, Estónia
Training course 'One wild life' is mainly a wild journey to inner self. I remember the day when I saw the call and I knew I'll be there. My struggles with world, other people, society, 'system' and myself got many answers. I'd say that many problems got finally talked out and even solved. With those people and environment I felt so comfortable that when I felt like crying I could do it. And of course this course was full of laughs too. I understood much more about my fears, passions and other people around me. What I loved the most about this training course was that I had the space to be myself and people from all over the world had the same opportunity. And that's where the magic started. The beauty of human being without any borders. I'm forever grateful for this life changing experience.

O testemunho da Maria

Um ano da vida só parece muito antes de começar. Depois passa em piscar de olhos. A minha experiência SVE está quase a acabar. Valeu a pena? Valeu! 

Antes de chegar ao Portugal, o meu estado podia ser descrito pela letra da música de Peggy Lee “Is that all there is?”

Tinha um bom trabalho, um namorado, uma casa, amigos, mas sentia-me como se constantemente remasse contra a maré. Então, a vida adulta é isso? – perguntava a mim mesma e ficava cada vez mais frustrada. 

Depois vim a Lisboa e... mudou tudo. 

No primeiro momento o sentimento foi de pura felicidade: “O meu Deus, estou aqui, na minha querida cidade de Lisboa!” Foi o sentimento de liberdade, de possibilidades sem fim. Ainda não havia rotina, podia moldar os dias duma forma completamente diferente e conforme as minhas necessidades. 


No segundo momento dei-me conta como mudou a minha atitude em relação às pessoas. A irritação foi substituida pela curiosidade. Não conhecendo todos os códigos culturais, deixei de julgar as pessoas que encontrava na rua, nos meios de transporte, no trabalho. Eram apenas seres humanos, diferentes de mim e por isso interessantes. O meio social, educação, convicções, tudo isso deixou de ter qualquer importância. 

A partir do terceiro momento começou a aprendizagem à sério. Houve altos e baixos, mas sabia que, como cantou Gloria Gaynor, “I will survive”.

Havia momentos quando senti-me mal psicologicamente e fisicamente (malditas mal aquecidas casas portuguesas!). Havia momentos quando voltava da Junta com dores de cabeça de tanto me esforçar para acompanhar longas reuniões sobre assuntos até então desconhecidos. Havia momentos nos quais questionava as minhas maneiras de trabalhar, que até então tinham funcionado para mim, mas neste novo contexto estavam inúteis. E os momentos mais frustrantes eram aqueles em que sentia- me incapaz de me expressar plenamente. A solidão, o sentimento da isolação, a superficialidade de contatos, tudo isso faz parte da experiência SVE. E tem também as suas consequências físicas. A maioria dos voluntários ao passar pela inevitável crise psicológica, luta também contra o seu próprio corpo (que reage duma forma violenta contra as mudanças do clima, novos habitos alimentares, etc.) 


Felizmente a experiência SVE não é só doenças e mal estar. O corpo cura com o tempo à medida que se descobre novos modos de pensar, novas maneiras de resolver problemas, de trabalhar, de se comunicar e, pouco a pouco, cria-se novos laços, novas amizades, novos costumes. 

Quais então são as minhas conquistas deste ano? Tendo como coordenador o Eduardo, Técnico do Gabinete de Desporto e Juventude, sempre cheio de trabalho, decidi ser a mais independente possível. E isso soube-me muito bem. Criou-se entre nós um sentimento de confiança, do reconhecimento, do entendimento que fez me acreditar mais em mim própria e enfrentar com sucesso os novos desafios. O Eduardo reconheceu logo a minha área de interesse e estimulou o meu desenvolvimento. Ao mesmo tempo dou-me muita liberdade que fez o processo de aprendizagem muito mais agradável. Graças a sua atitude não tinha medo de cometer erros e propor coisas que, provavelmente, muitas vezes não faziam muito sentido. 

Os meus problemas com a coluna passaram a ser mais uma lição. Ao acabar o meu SVE vou a ginásio pelo menos 3 vezes por semana e faço regularmente exercícios em casa. Descobri também meditação que ajudou-me imenso em lidar com o estresse e pus todas as experiências numa perspectiva. Volto a Polónia mais calma, mais independente, mais contente comigo mesma e mais em paz com o mundo ao redor. Volto como um “vencedor”. ;)


Neste textinho falei só de mim mesma, mas o SVE não é uma experiência solidária, muito pelo contrário. São as pessoas de cá (outros voluntários, mentores, coordenadores, a equipa da Spin, a equipa da Junta de Freguesia, moradores de Carnide, treinadores de cursos de chagada e mid-term, desconhecidos encontrados aqui e ali – dezenas de nomes que eu não vou enumerar por ter medo de me esquecer de alguém) que me apoiaram neste processo de descobreta e de autoconhecimento. Sem cada um de vocês, a minha experiência não seria tão enriquecedora. À todos que encontrei pelo caminho dedico esta famosissima canção polaca de Czesław Niemen “Sen o Warszawie/Sonho sobreVarsóvia”. Obrigada por terem-me acolhido. Agora é a vossa vez! Venham a minha terra, estou lá a vossa espera!

Tradução: 
“Sonho sobre Varsóvia” 
(…) Se quiseres ver 
Vístula ao nascer do sol, 
Parte comigo hoje para lá. 
Vais ver com os teus olhos 
como Varsóvia 
nos acolherá. 

Eu como tu, 
Tenho a minha cidade, e nela 
O meu mundo mais belo, 
Os dias mais bonitos, 
Deixei ali os meus sonhos coloridos (...).

O testemunho da Giorgia

Olá malta, chamo-me Giorgia, sou umas das pessoas sortudas que teve a possibilidade de fazer o seu SVE em Lisboa e de passar o melhor ano da minha vida aì :)


O meu projeto foi “Make a Move”, um projeto que me permetiu de trabalhar em uma creche, mais especificamente em “Crescer a Cores- Associação de Solidariedade Social” (em Bairro Padre Cruz, um bairro social), o seja em uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), de intervenção na área da Psicologia, da Educação, Social e da Saúde, que tem como objetivo os cuidados e a educação de infância dos 4 aos 36 meses. 


Como sou uma Educadora, este projeto deu me a oportunidade de ver e conhecer novos métodos e formas de educação em comparação com aqueles usados em Italia. Inicialmente, tenho que dizer a verdade, não foi muito fácil adaptar-se e integrar-se na equipe do trabalho, màs com paciência, com mais conhecimento mês após mês do idioma, adaptando-me à situação, màs mais em cima de todo com a ajuda de Diana, (amiga, colega, companheira de aventuras/desaventuras no trabalho, e voluntaria no creche ela tambèm), todo foi melhor.


Antes de chegar aì foi super sustrada, porquè teve que crear uma nova vida, em um lugar novo, com um idioma novo, conheçer novas pessoas, etc etc màs todo correu super bem e gostaria de repetir essa experiência mais uma vez, porquè LIsboa e isso SVE me deram a possibilidade de conheçer mim mesma, novas culturas, novos lugares (isso graças a mil viagens que fez ;P ) ... 


... e de crear-me amizades super fortes com pessoas de todo o mundo :) 


Acho que um testamunho o algumas palavras não podem descrever todas as emoções, as alegrias, o “simplesmente” o meu Sve, màs acho também que as palavras que mais podem dizer o que foi essa experiência são: Partilhar, ser despreocupado, felicidade, amizade, sorrisos e viagens. 


E então, posso sò dizer que foi a experiência melhor da minha vida e que gostaria que isso nunca tenha terminado.

Atè jà Lisboa querida. 
Gigi :)

O testemunho da Diana

Tenho que dizer que eu nunca sonhei com ir a Lisboa. Sim com falar português (obrigada a Aneta e o Marco por isso!), mas nunca em particular com Lisboa. Mas cheguei lá há um ano, com uma mala gigante, sem saber que Lisboa chama-se, como Roma, a Cidade das Sete Colinas por um motivo. Naquela altura ainda não tinha ideia que a cidade da que eu conhecia tão pouco mudaria minha vida.


Mas esta história do meu percurso não teria sido a mesma sem o meu projeto, que a verdade, foi a coisa pela que queria fazer o evs no primeiro momento. A ideia de ajudar numa creche num bairro social sim era um sonho meu mas a verdade, estava a espera de que fosse duro, mas nunca pensei que fosse tão duro! E também não tinha ideia de quanto amor era o troco por tanto esforço. Acho que nunca di tantos beijos e abraços como a issas crianças e graças ao amor que eles deram-me, sinto que sou agora uma pessoa melhor do que a que chegou a Lisboa há um ano. Aprendi a ser mais paciente, que se falas baixo ouvem mais, que as palavras de amor sempre são o melhor remédio e que um abraço sincero é sempre o melhor conforto. Coisas que parecem óbvias quando estão escritas mas que os adultos esquecem facilmente por causa da rotina.


Eles tão pequenos e sem saber mudaram a minha pessoa como nada fez antes e eu já sei, tenho certeza, que no próximo ano vou me perguntar muitas vezes como estão os meus meninxs porque há um ano havia nomes que não significavam nada para mim e que agora significam tudo: Vicente, Gustavo, Constança, Yuri, Miguel, Luciana, Leandro, Santiago, Melissa, Vitoria, Benedita, Diogo F., Diogo C. e Margarida. Eles eles vão me esquecer logo mas eu já nunca esquecerei deles.


Também num ano só tive a oportunidade de conhecer mais pessoas das que posso contar. Pessoas de todo lugar do mundo mas todas com um imenso desejo de aprender e cheios de vida ao máximo sem importar idades, línguas ou as nacionalidades. Mas principalmente neste tópico, duas coisas aconteceram. Primeiro que tive a sorte de morar com umas pessoas que mais que colegas de casa foram a minha família. Gente de todo lugar, diferentes todos, sem tão sequer falar a mesma língua ao começo, mas gente que foram sempre lá : para os momentos bons, as festas, os sorrisos, o cantar Despacito por a casa toda, ver RauPaul...qualquer coisa! E ainda mais difícil, gente que ficou a partilhar as lágrimas, as dúvidas, os medos e em geral todo o que fica quando a festa (e o vinho) acaba. Eles foram a minha sorte maior e ainda não consigo encontrar palavras para agradecer por terem aberto as portas das suas vidas para mim. Sinto-me a pessoa com mais sorte do mundo por isto.


E claramente não posso falar de pessoas lindas e não falar dos trainings. Sim, os trainings, essa coisa que quando chegas, não interessa quantas vezes perguntas ou a quem, ninguém sabe dizer exatamente o que é que é, mas acredita, é uma das experiências mais lindas de viver num evs. É cansativo e as vezes aborrecido mas também é divertido, intenso e incrível. E se como eu, tems a sorte de ficar em duas cidades maravilhosas (Braga e Guimarães) e com um grupo de gente maluca com o qual rir até ter dor de barriga e dançar até não te levantar, não se pode pedir mais. Lá encontrei amigos e sentimos-nos uma equipa, mesmo que fosse por alguns dias, não interessa. Talvez não tenha visto a muitos deles novamente depois daquilo, mas eles todos já ficaram com um bocado do meu coração por ter vivida essa experiência tão linda juntos.


E depois, está Lisboa. Cheguei alí sem esperar nada e deu-me todo. Sei que um bocado de mim fica na aquelas ruas para sempre, um bocado de mim que sem duvida vai fazer-me voltar mais uma vez. Lisboa, que é moderna e antiga, feliz e triste, tantas coisas juntas e diferentes que é simplemente mágica. Não deixa opções, ficas apaixonado antes de ter tempo de questioná-lo.


Mas, olha, não te enganes. Parece assim que foi tudo perfeito. Estava perto sim, mas, não, não foi, como nada na vida. E isso também é bom, porque tudo acontece por uma razão e em tudo, bom ou mau, há uma lição a aprender e eu, este ano aprendi muito. Porque isso é o que acontece quando deixamos a nossas zonas de conforto, que arriscas todo mas podes aprender muito e podes ganhar coisas que nem imaginas. Então, arrisca, não deixes o medo falar por ti porque sem saber, podes estar a dar o primeiro passo para viver uma aventura. Porque sem saber, podes acabar vivendo, como eu, o melhor ano da tua vida.


25 setembro 2017

One Wild Life

Aqui podem ler mais testemunhos dos participantes do curso de formação One Wild Life, que decorreu de 15 a 25 de Julho de 2017 em Sintra.

Katja Jezeršek, Eslovénia
The biggest treasure that I got from the OWL course were the people with whom I lived throughout the course and with whom I shared the experience. I am immensely thankful for their honesty, openness, braveness and willingness to share their thoughts, insights, feelings, experiences, struggles, questions, doubts, pain, joy, happiness, love, talents, music and knowledge with me. Used to being alone quite a lot, it was challenging for me to be surrounded with so many people, but I learned something very important. It is easier to find privacy in the midst of a community that find company in the midst of solitude. The combination of guided introspection and reflection on our past actions or reactions, stands and visions plus intensive community living created a space in which I was challenged and provoked enough that I felt some discomforts, fears, insecurity. It was very precious to see those Achilles heels of mine which I am normally avoiding and trying to forget about them. The space held by facilitators and the whole group was safe and compassionate which helped me express, face and challenge my weaknesses. 
Apart from learning the shady side of me, I also discovered a lot of joy that I did not know before or I almost forgot about it, especially when we were singing together, dancing, improvising, playing. I felt that we created a space of trust and acceptance where I could very freely express myself. I was amazed in how unique and beautiful way each participant contributed to the whole. Here I became more aware of the fact that the most beautiful things come out when we act from our true selves. This is a bug encouragement not to be afraid of being different and unique, to stand out from the crowd and on the other hand not to struggle to be unique. If you act from your core, you will always be unique and impressive. SO acting from your true self is your responsibility. This is something I would like to share with the youth I work with. I would like to encourage young people to connect to their selves, recognise their real needs and dreams and express them in a assertive and respectful way. I learned a lot of techniques of creating a space in which self expression, imagination and dreaming is encouraged (sharing circle, magic objects, tibetan bells, candles, guided meditations, activities which were focusing on different senses, singing, drawing, creating the map of life, free writing, if nothing would stop me, etc.). What I can easily incorporate into my work with the youth in summer camps is the hero journey. It can bring the experience of the participants of our summer camps to a higher level. I will probably also use the activities we were doing on our last day of the course (walk with eyes closed and others whispering encouraging words and final sharing circle with the wool string). I liked the concept of the course, diving in and climbing out and I think the timeline made sense. I am grateful to the organisers and facilitators for creating this space full of encouragement and opportunities to learn and grow, and i am even more thankful to them for leaving us the freedom to take or reject all the content of the course. I would not hesitate even for a second to recommend the course to the others. And I am not loosing hope that we might organise a OWL volume 2 one day! 

Pim van Luijtelaar, Holándia
A very intense training course which took me in a new chapter in my life. I learned a lot about myself and this helped me a lot in this new stage where I am right now. Finding myself, my own authentic vocation! That also made me to find a new way of working with kids and juveniles that struggle with their lives. During the training course i experienced this change inside myself, and what i think, is the best way to help these kids and juveniles. what is it that i really like and love to do? What is it that i really opens my heart and creativity? Starting at myself, and not so much: what other people would like to see (prejudices)! I got to know myself much better, (helicopter view) looking at my life from different points of view, sharing my life story with others and listening to others stories. It was a very confronting training course! implementing al the new information (finding your authentic vocation and starting at the motivation from kids in a Judicial residential setting) wasn't so hard for me cause I already went trough it by myself, I gave a little presentation for my colleagues and tel them about my experiences. I'm training colleagues to implement in the kids and juveniles there lives: finding things and goals in there life, starting from there own motivation, how to vibrate positivity at every moment and live at the moment! 

Alícia Rendo, Espanha 
This training course has changed my life, and my perspective to see the world. Now, I'm sure of my authentic vocation. Thanks for all, hugs and kisses, Ali 

Liudmila Gasina, República Checa
One Wild Life was a great opportunity for me to meet amazing people who are eager to bring changes into this world. People who can ignite the hearts of others during their own coach sessions or just in a usual conversation. The conditions of the projects literally brought us together giving food for thoughts about who we are, what we can do and how should we do it. At the end we were more than just 26 people living together in wild environment - we became a community. Things which I took from the project are incredibly important for me as a personality: I learnt how important it is for me to stand my ground and have my own boundaries. How my own past affected me and what an important part of my life it is. I learnt to accept myself and let me be who I am. Also I got aware of my capabilities both personal and professional ones.

11 setembro 2017

O testemunho do Jesús

Olá a todos!
O meu nome é Jesús Martinez e por um ano participo no programa SVE com SPEA. Neste artigo, vou tentar transmitir minha maravilhosa experiência como voluntário durante toda minha pequena e intensa história e, portanto, tentar despertar esse verme para alguns jovens indecisos.
Você sabe? Para mim, uma das maiores vantagens de ser um voluntário é que você pode combinar várias paixões ao mesmo tempo: viagens e conservação da natureza.



Desde há nove anos, tive minha primeira experiência como voluntária. Eu era uma jovem adolescente com muito desejo de abandonar minha terra Las Hurdes e por isso comecei a pesquisar vários empregos não remunerados com dinheiro, mas com muitos outros bens não materiais, e é assim que eu cheguei no Estreito de Gibraltar, 17 anos, minha mochila, um grande medo do desconhecido e grande motivação no corpo, disposto a passar centenas de horas no sol contando os milhares de aves Planadoras que vão para a África no grande show de migração.
O meu EVS começou em setembro de 2016, um bom momento para chegar a Lisboa e a Portugal, o início foi um pouco difícil, especialmente devido ao número de novos nomes, e muitos deles repetiram que me faziam duvidar todos os dias e o problema de a comunicação que, apesar de ter vivido em Coimbra, não havia desenvolvido plenamente minha capacidade linguística.


Mas, pouco a pouco, essas barreiras saltaram e tudo se tornou mais fácil.
Lembre-se da semana no Farilhão que faz o acompanhamento do aninhamento do Painho, cheios de frio! Mas certamente valeu a pena, é um grande privilégio poder ficar por alguns dias em uma reserva que poucas pessoas podem entrar e também ajudar a tornar as populações dos animais que vivem lá.
Que grande projeto o Rupis, e que bons tempos cortando o monte abaixo das linhas elétricas, embora ainda existam momentos que não são apreciados (encontramos muitas aves mortas) Mesmo assim Eu tenho que dizer que sinto orgulho de que ao realizar este trabalho e que muitas aves serão salvas de uma morte quase certa.


Depois deste ano, são todas as palavras de agradecimento pela experiência adquirida, a quantidade de coisas aprendidas, as pessoas boas que conheci tanto dentro como fora da associação, amigos e memórias que, apesar do tempo passar. Tenho certeza que nunca vou- me esquecer.


Jesús

O meu querido cor de laranja

São algum dias que acabo o meu projecto sve na Spin e só dois dias que regresei na Italia e dexei a querida Lisboa. Foi um ano intenso cheio de lembranças, cheiros, emoçãos e musicás novas e parece quasi impossivel tentar de dar forma com as palavras.
Posso tentar de fazer um resumo através do cor de laranja. Primero porque as coisas mais linda no meu caminho na ruas de lisboa foi encontrar os alvores de laranja, assim como nunca vou econtrar um sumo de laranja natural tão saboroso e baratto fora do Portugal! Durante um dos muitos pequeno almoços que tive nos bar da cidade.


A equipa de trabalho no escritorio não poderia ser melhor: antes de chegar na Spin não imaginava a possibilidade de um espaço sem competição entre a equipa mas só reispeito e collaboração. Em este ano aprendi como as relaçoes entre a equipa pode fazer a differençia, isso não significa que o trabalho para de ser cansativo mas ter bom collegas da a força e energia para ver tudo em maniera positiva! Para mi foi um momento increivel quando no meio do meu projecto sve chegaram as novas voluntaria sve Petra e Ana: ainda lembro da minha alegria de ter duas rapiragas com os cabellos laranja comigo no escritorio. A elas devo muito para o meu periodo na Spin.


Cor de laranja é tambem o cor da associacão Spin e não posso não lembrar da nossa estagiaria Vânia que nos delicio com a comida e contos da sua terra, parecia de viajar em São Tome; do Michał que chego da Polonia mas a sua terra real tem que ser o planeta Arte; do Babis e da Camilla!


A nossa tutora Inês ainda lembro da primera entrevista que fiz contigo e do primero dia da minha chegada onde na casa com todos os volonturios colocaste a musica da banda orquestrade, em este ano fiz uma lista da tuda a boa musica que colocaste no escritorio! Pois Aneta mudo a minha ideia sobre os limites de força: a sua capacidade de dedicar-se nos projectos 24h/24, o timbro de voz acuta e especialmente a força de dizer sempre que achas!
A nossa equipa tem tambem a Raquel coordenadora dos projectos de mobilidade europea de envio, depois de 3 meses tive a increivel opportunidade de apoiar o seu trabalho e ver a importancia de organização, precisão e força de vontade que precisa para trabalhar nesta aerea!


Enfim quem tem a opportunidade de trabalhar na Spin va a econtrar o coração laranja da associação: a super presidenta, mulher e mãe Sara Segurado. Uma combinação perfeita de professionalidade e ottimismo; a quantidade de motivação que nos da é uma fonte de energia interminavel e ecologica!


Durante o meu projecto sve não tudo correu bem e algumas vez tive problemas mas que eu aprendi e claro isso vale especialmente pra mim que as nossa emoção e motivação pode mudar o contesto e dar a possibilidade de nos focar nas coisas boa em vez de olhar sempre para as coisas que faltam ou não funcionam. Cada pessoa tem um caminho differente o meu aprendizagem maior do meu sve foi ter a forças de não ir embora dos problemas mas tentar de ver isso em manera lucida, pedir ajuda se possivel e tentar em caso uma solução. Depois de este ano aprendi as coisas que gosto e que não gosto, a minhas attitudine positiva e onde tenho que melhorar e a importancia de comunicar com os otros em vez de tentar de resolver tudo sozinha!


Obrigada a todas, ja sinto muita saudade!

Michela